segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Pus-me a correr e entrei em movimento; BH, 01401501102000; Publicado: BH, 0601202013.


Pus-me a correr e entrei em movimento,
Porém, sem direção, voga e sem lições sobre
As matérias e operações realizadas na bolsa;
Não fui cursor da água corrente que pode
Constituir um regato, um ribeirão, ou um rio;
Meu pensamento corre ao longo de mim
E não me pertence, como o curta-metragem,
O filme com duração média entre 10 a 15 minutos
E tem seu diretor, tem seu produtor, tem seu
Dono e realizador com toda a curteza, mostra
A total grandeza, sem timidez, sem limitação;
E a curtição, o estado daquele que tomou droga,
O barato, o que proporciona alegria, prazer, encurta
A vida do curtidor; da curtidura, do curtimento
Daquele que curte e fala que sabe curtir,
Preparar para utilizar uma vida sem o pensar, sem dores
E pensa que sabe sofrer e suportar e preparam a carne
E o queijo para que não se estraguem e o couro
E as peles de animais, para que possam ser 
Utilizadas no dia em que ficar mais curto, a cada 
Dia que passa, a ficar de pequeno comprimento,
De pouca duração, escasso igual ao sentimento de 
Bondade, de caridade e de solidariedade que 
Padece a raça humana; padece de curtume,
De estabelecimento onde se curtem os mais altos e 
Elevados sentimentos; não podemos deixar que as
Nossas soluções e resoluções, sejam devoradas pelo
Curuquerê, larva de uma borboleta que causa 
Grande devastação nos algodoais; e manter
A preservação do sapo cururu, com seu grande
Porte e sua voz grave e que embala nossas
Noites, com suas serenatas, nas curvas das 
Estradas, nos brejos, nas lagoas; e na curva, na
Designação da linha que não é reta em
Nenhuma das suas porções; e das sucessivas posições
De um ponto que se desloca no espaço; e das formas
Arredondadas do corpo de certas mulheres; eu não,
Eu já estou curvado, já ando inclinado, curvo para
A frente, como se fosse cair de boca no chão;
E só soube curvar-me, tornar-me um boneco
De cera, que vive a inclinar-se para diante e para 
Baixo, com o calor da luz a oprimir, a sujeitar,
A humilhar e só resta-me resignar-me para não
Ficar indignado, com a curvatura, que torna
O meu corpo curvilíneo, que segue a direção
De um corcunda, que não é reto e nem 
Formado de linhas retas; e que não é plano,
É côncavo, ou convexo e caído igual a um cuscuz,
Que recebe denominação de certas comidas
Brasileiras, feitas com farinha de milho, ou
De mandioca, cozidas ao vapor de água fervente
Na cuscuzeira, panela em que se coze o cuscuz;
E por isso, nas portas das igrejas, sou alvo de
Cusparada, recebo grande quantidade de
Cuspe na cara, pareço uma cuspidura,
Um vaso feito para cuspir, onde todos querem
Lançar da boca, sobre mim, cuspe, ou outra
Substância líquida igual aos bois nos
Pastos, que ficam a babar; eles vivem de
Proferir injúrias e afrontas contra mim
E custa-me enfrentar a turba; pago um
Custo alto, às vezes, por não fugir, vivo sem o
Trabalho digno e perco e pago todos as tais
Despesas feitas em processos judiciais, e por
Consciência espero não custar aos outros
Mais do que mereço; espero ser adquirido
Pelo preço certo e ajustado e ter o valor
Correto, sem causar a despesa supérflua
E só ser obtido à custa de algo que não
Seja difícil e nem penoso; pode até tardar,
Pode até demorar, porém, será um custeamento
Meu, faço questão de custear e o custeio
Será o meu próprio sangue; não verterei o
Suor e nem quantia por que se adquiriu
Alguma coisa, valor em dinheiro, então, nem
Sei, não conheço e dificilmente e com a dificuldade
E se tiver a ajuda de funcionário público,
Recebo quando em viagem, ou mais superior
A trinta dias, desde que a alma de alguém seja a
Custódia, lugar onde se guarda com segurança
Alguma coisa, em conversa, alguém que não está detido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário