segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Não venhais crismar-me e conferir-me a crisma e confirmar-me; BH, 02401102000; Publicado: BH, 01001202013.


Não venhais crismar-me e conferir-me a crisma e confirmar-me
Na fé católica; podeis até apelidar-me, mas abro mão do
Sacramento de confirmação do batismo entre os católicos e
Nem quero o óleo perfumado usado em certos sacramentos;
Deixeis-me na minha crise e ides para o inferno sozinhos;
Vivo na súbita alteração, no curso de minhas doenças, em
Situação aflitiva, anormal e grave, com nervos em espécies
De ataques histéricos e não quero as vossas companhias;
Mandeis-me crisântemo, planta de flores ornamentais da
Família das compostas, mandeis-me a flor dessa planta;
Gentes, não, mandeis-me uma crisálida, em estado
Intermediário dos lepidópteros, entre a lagarta e a
Borboleta, encerrados num casulo; gentes, não, gentes,
Enjoais-me e não consigo concentrar-me no críquete,
Jogo esportivo, de origem inglesa, realizado entre dois
Partidos que movimentam, com bastões, uma bola de
Madeira; sou uma criptologia, um ocultismo, meu
Criptograma é escrito em código morse, tem
Representação com o sentido oculto e figura
Simbólica; todo meu texto é criptográfico, está
Entregue à criptografia, tenho o processo de
Escrever em código, ninguém entende o que escrevo
E o que produzo, pois, tenho ocultos os órgãos de
Reprodução e sou como a planta que não dá flores,
Uma criptógama na cripta mortuária, na galeria
Subterrânea; na gruta da catacumba e não trazeis
Gentes, aqui não, sou filho de crioulo, negro nascido na
América; sou qualquer negro relativo, ou pertencente
Aos nativos de uma região, sou originário do país em que
Vivo; não sou de raça branca, sou nascido em colônia e falo
O dialeto das pessoas, sou igual aos animais descendentes
De pais importados e o designativo de uma variedade de
Cana-de-açúcar; tenho crina, conjunto de pelos do pescoço
E da cauda, tal no cavalo e outros animais; ha crime em mim,
Sou o réu que cometeu crimes, o criminoso procurado pela
Justiça; dou trabalho ao criminologista, a pessoa que é
Versada em criminologia, é a que tem mais trabalho comigo;
O resultado criminológico das minhas ações, surpreende a
Ciência que trata do direito criminal e a filosofia do direito
Penal, a criminalística gerada por mim, ultrapassa toda a
Jurisprudência criminal e o criminalista, o advogado, ou
Jurisconsulto especializado, não encontra habeas corpus
Para a minha criminalidade, é alta a qualidade e o grau dos
Meus crimes; não mereço julgamento, processo em tribunal,
Onde se julgam o simples e que não é acompanhado de
Circunstâncias agravantes; e firo as instituições políticas
Vigentes, cometo o ato político contra o rei e atento contra a
Soberania de um estado; faço o que ofende os instintos
Naturais e de lesa-majestade; só não vou de contra a
Natureza e o delito-capital, aquele que corresponde à pena de
Morte, tenho o ato merecedor de punição, tudo pela violação da
Moral vigente, da infração culposa e da dolosa da lei; não
Trazeis gente aqui não, trazeis um grilo para cricrilar, produzir
Cricri em meus ouvidos, gosto do som imitativo do canto dos
Grilos antes de morrer; sou pessoa muito chata e inoportuna,
Uma criançola, um rapaz com modos de criança e tenho que
Pagar pela criancice, pelo dito tão impensado, pela infantilidade
Maior do que toda criançada, todo ato próprio de crianças em
Conjunto; não trazeis aqui, nem menino e nem menina, não
Gosto da obra do criador, o fazendeiro que cria, ou que criou o
Gado: gosto só da obra de Deus; sou um criado-mudo, uma
Mesinha de cabeceira, um empregado doméstico, um criado que
Se fez em espécie de estufa para criação de pintos recém-nascidos;
Não tireis-me dessa criadeira, faço parte dessa criadagem, desses
Conjuntos de criados de uma casa de detenção; não trazeis aqui
Criação, formação de educação, animais domésticos para alimento
Do homem, deixeis que os homens devorem seus próprios homens;
Não deixeis-me criar, não faço parte dos seres vivos, da produção ,
Da obra e da instituição, é o fim da propagação da espécie.

Nenhum comentário:

Postar um comentário