segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Quereria ser um bazar e uma loja; BH, 050802000; Publicado: BH, 080102014.


Quereria ser um bazar e uma loja que, 
No lugar de vender miudezas e brinquedos, 
Vendesse livros; como se vendesse bauxita, 
Mineral amorfo, hidróxido de alumínio, 
Vendesse livros, como vendesse baunilha,
Plantas trepadeiras de flores, e frutos odoríficos; pois,
Quereria ser um baú, uma caixa retangular, de madeira,
Ou folha-de-flandres, com tampa convexa, cheia de livros,
Cheia de cultura, de belas artes, de obras-primas; e de belo
Barroco, uma batuta, varinha geralmente de mármore, com
Que os maestros regem orquestras; como pessoa muito
Entendida em determinado assunto, bamba no que é
Erudito, papa no que é clássico; e que até num batuque
Nas danças afro-brasileiras ao som de instrumentos de
Percussão, entra um pouco de arte, até numa batucada
Entra a harmonia de uma orquestra, sem barulho 
Insistente, e repetido; batucar com a perfeição de uma 
Sinfonia executada por uma sinfônica, como não martelar, e
Nem tocar mal um piano; e sim com ritmo, e todo teor
Popular de uma cadência bem marcada, nada de coaxar
De batráquio, espécime de animais  vertebrados de pele
Nua; e nada de coaxar de rã, ou outro tipo de anfíbio,
Encher a bateia, peneira usada no garimpo de
Pérolas, pedras preciosas, ouro, e toda riqueza cultural,
Que o livro é capaz de nos oferecer; troca o nosso batel,
O nosso barco pequeno, por um transatlântico, troca a 
Batelada, a grande quantidade de carga de qualquer
Coisa pela mais fina, e elevada literatura; entrar
No batente de corpo, e alma; entregar o espírito ao trabalho,
Galgar cada degrau com o valor da sabedoria mental,
Fazer do conhecimento a ombreira onde bata a porta,
Ou a janela, e onde fica o encaixe da lingueta
Da fechadura; mostrar a escrita na folha de bate-papo,
Toda conversa que não seja fiada, e ensinar
Sem bater; jamais dar pancadas em crianças,
Jamais surrar, e espancar os meninos, e as meninas,
Nunca ir de encontro com força; se não atingir a 
Singeleza, agitar continuamente o líquido
Sanguíneo, e a massa encefálica; fazer soar 
O tino igual soa o sino, o relógio, a campainha, e 
Palpitar de vibração, como palpita o coração, a 
Artéria, e incidir, e refletir, igual ao foco
Luminoso; e dirigir-se sempre apressadamente em 
Direção à luz, percorrer a explorar os caminhos dos
Tesouros escondidos nas ilhas dos piratas; percorrer
Sempre a explorar, até chegar a um lugar, e usar
Continuadamente as letras, não comer, e nem beber
Com sofreguidão; não furtar, e nem afanar, e ao 
Derrotar, ao vencer, convencer ao vencido, que o derrotado
Foste tu; lutar corpo a corpo, e não bater, defender com
Ardor o espírito, empenhar-se em manter a alma
Arejada, longe da bateria; e do conjunto militar,
De armamento instalado numa fortificação, e deixar
Todas as suas pilhas, todos os seus acumuladores elétricos,
Ligados em série, para nunca apagar o clarão interior;
Seja tão útil quanto os utensílios de cozinha, polivalente,
Tanto quanto baterista de instrumentos de percussão;
E que toda busca seja cuidadosa na perfeição de uma
Diligência policial para prender criminosos, e verificar
Irregularidades; e não afogar memórias na batida,
A bebida preparada com cachaça, suco de frutas, e
Açúcar; e ao abrir a boca, seja como um choque de
Veículos, sem acolisão, e ultrapasse em evidência
O que for muito usado, surrado no íntimo, gasto
Por dentro; e o que parecer muito repetido, esteja
Sempre longe da cerimônia do vulgar, da batina,
E da túnica usada pelos sacerdotes, e noviços;
Não será o primeiro sacramento da igreja cristã que 
O levará para o céu, e a cerimônia em que é ministrado
Esse sacramento, não te salvará; a admissão solene a 
Uma seita, ou religião, só é aceita com pagamento
Adiantado, e ao se dar o nome de uma pessoa, o 
Batismo não acrescentará a ela a felicidade; e o crime
De adulterar o leite, e ovinho, ao acrescentar-lhes água,
Não diminui com a participação batismal; na
Primeira experiência própria após treinamento, ou
Estudo de teoria, a prova de fogo pela primeira vez
Numa batalha, é o que espero no dia do lançamento
Do primeiro livro, do sonho que trago, e
Levar para uma noite de autógrafos, o sangue,
Que a minha veia deixar jorrar.

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário