domingo, 20 de agosto de 2017

Sabeis que na minha ignorância; BH, 080702000; Publicado: BH, 0201202013

.
Sabeis que na minha ignorância,
Só sei regongar, como uma ariranha, o mamífero
Da família dos Mustelídeos, semelhante à lontra;
Pois não sou iluminado, não sou espirituoso
E nem tenho alguém para acender, pelo menos
Um toco de vela por minha alma; e é por isto que
Vivo na eterna treva que habita o meu ser;
Sabeis que na minha formação, sou menor que
A ariramba, a denominação genérica das aves
Ribeirinhas da família dos Alcedinídeos e
Muito menor que o ariqueme, o indígena da
Tribo dos Ariquemes, do Rio Jamari, afluente do
Rio Madeira; e que não tenho em mim o
Aripo, o ato e o trabalho de aripar, não sou
O aripeiro mestre, que descobre as pérolas
No meio da lama e das areias dos mares;
Por mais que queira aparentar uma ária,
De sentimento patético e profundo, no fundo, não
Mantenho o espírito arioso e em mim, nada
Passa de um ariolomântico; a chegar ao
Ponto de não passar de uma pessoa que se 
Dedica à ariolomância; o ariolomante que 
Não perde a arte de adivinhar por meio de 
Ídolos, mesmos os ídolos pagãos e que não se 
Encontram relacionados no santuário dos deuses; e 
Tenho-me como um aríolo, um adivinho cigano,
Feiticeiro de magia negra, um haríolo
Que desenvolveu as mais mórbidas práticas,
De cultivo da ignorância e da hipocrisia;
Não tenho o valor nem de um ário, o sufixo,
Que vem do latim ariu e que é formador de
Substantivos que indicam lugar; lugar continente,
Tal o armário de vestiário, ou o santuário,
Que se transforma no aviário das ave-marias;
A coleção de vocabulários, agentes mandatários,
Incendiários e lançadores de coquetéis molotoves;
No estado que resulta de uma ação e de 
Adjetivos designativos de relação do homem 
Solitário, não voluntário e perdido rodoviário,
Tal o ariocó, o peixe da família dos Lutjanídeos;
Como o arinque náutico, o cabo com um chicote
Preso à boia e outro à âncora para lhe indicar
A posição que deve ser tomada pela humanidade,
Quero ver o arino; quero ver o arinó, indígena da
Família dos Arinos, ou dos Arinós, das cabeceiras do
Rio Arinos; e também quero ver o ariná, o meu
Indígena da tribo dos Arinás, do Rio Negro e não posso
É ficar sem saber o que foi feito dos meus irmãos, tenho
Que deixar de ser o arimbá, o boião de barro vidrado
Que se perde como a arimaru, a planta da família das
Loganiáceas e o arilado ariini, indígena da tribo dos
Ariinis, do Rio Negro, também chamados Arainis, ou
Airinii; e cujo espírito arietino, relativo, ou pertencente
A ariete, o carneiro domado que marcou a arieta da 
Extinção da espécie, a dizimação e o extermínio, como
O aricar, o arar superficialmente, para tirar ervas daninhas
Como se nossos índios fossem essas ervas daninhas, ou
Moedas de cobre que corriam em Damão, um aricá sem
Valor, sem cultura e sem amor-próprio; ouçamos então a
Aria do sufixo latino da gritaria, o silêncio da livraria, o
Galope da cavalaria, os tiros da infantaria libertadora. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário