sexta-feira, 1 de abril de 2016

Onde está a poesia? do lado de dentroBH, 080202016.

Onde está a poesia? do lado de dentro,
Ou do lado de fora? onde está o poema?
Do lado de fora, ou do lado de dentro?
O que procuro, é o que talvez seria, o 
Que me faria viver; não nego, falo só 
Muitas abobrinhas com letras mortas,
Palavras póstumas, nenhumas imortalizadas;
Encho linguiças, salsichas, enlatados e 
Esvazio copos, garrafas, litros e não
Encontro o que todo poeta almeja 
Encontrar, para receber o epiteto de
Poeta; e não posso receber títulos, não
Sou titular, não sou profissional, sou 
Amador, menor e peno na ponta da 
Pena, a criar uma obra, da qual, todos
Terão pena; e os críticos deitarão e 
Rolarão em falações falaciosas, a 
Sepultar linhas, letras, palavras, tudo
Num só sepulcro, num depósito de
Ossos, num ossário envelhecido, de 
Velhas caveiras, de velhos esqueletos,
Esquecidos pelo tempo, por parentes
E inclusive por estudiosos, que não 
Saberão reconhecer ossos de segunda
Mão, ossos errados, usados imprestáveis; 
E um dia, com a maior das certeza,
Não terão o perdão de Deus e nem do 
Capeta, serão condenados por escrituras
Tão profanas; e não obterão lisuras,
Por terem a usura, de procurarem
Perpetuar insensatas sensações,
Em manuscritos de papiros pagãos,
Em textos de pergaminhos anticristãos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário