domingo, 26 de novembro de 2017

A pura poesia que encontrei meu irmão; BH, 01º0902000; Publicado; BH, 0290802013.

A pura poesia que encontrei meu irmão, 
Vou colocar na balandra, na embarcação com coberta
E dum só mastro, que também é um puro poema, destinada
A transportes de pedras preciosas, de remédios para balanite,
Inflamação da glande; e do bálano, da bolota de problemas,
Balanoforácea, espécime das Balanoforáceas, família de 
Plantas dicotiledôneas, dialiopétalas, aclorofiladas,
Parasitos das raízes de outras plantas, o balanforaceobalanoide,
Semelhante a balonopostite, inflamação do prepúcio
Balante, que a balastragem, a operação de balastrar, de
Cobrir de balastro, de areia e de saibro,de cascalho,
Do que se lança nas linhas férreas; do balateiro que se
Ocupa com a extração do látex da balata; e do ego
Balaustrado, gradeado, cercado e guarnecido de balaústre;
O id que irá balastrar, o balaxe, a espinela cor-de-rosa,
Violeta e alaranjada; a pedra preciosa que hoje, por
Ela, qualquer um morre de balázio, bala perdida,
De balaço; do balbo, gago que mal balbucie algo, mal
Faz uma balbuciscência, pois tem dificuldade de pronunciar,
E aquele que sabe falar, que é phd, só sabe balburdiar; e
Causar balbúrdia na mensagem, tornar confuso o discurso,
Misturar o aviso, confundir a informação igual a 
Balça do matagal, o silvado do réptil nas ramais do
Coral, não escapa do balceiro Caronte e o balcão, o 
Encontrão da sorte, passar distante do norte, só
Desventura e azar; contrariedade e trabalho vão, ofensa
E impropério baldaquinado, o amigo é falho, o companheiro
Falto, o colega inútil, baldo o amparo e aí, é só insultar
Com baldões; injuriar para forçar e conseguir baldoar a 
Preguiça a falta de vontade de sorrir, longe do baldoso,
Do desprovido de boa nova, de qualidade que só 
Tem no currículo trocas e baldrocas, confusão de primeira
Mão, baldroca de futebol; e caça e mata o baleato e
Destrói e extermina o baleote, preso à balema, ao cabo para
As estacas e para as vergas do baleiro, que carrega pequena,
E não respeita nem filhote; e todos à balestilha, não
Como instrumento náutico para tomar a altura dos astros
E sim como o de alvenaria para sangrar, a batilha no
Balestreiro, o vão da ameia, de onde os sitiados atiravam
Projéteis e matérias inflamáveis sobre os sitiantes japoneses
Que teimam ainda hoje em perseguir os cetáceos, com 
Balha de não respeitar; na locução e mesmo que a proposito
De inda continuar a vender a carne nos restaurantes do 
Japão, que depois de maremoto, terremoto, vulcão e
Duas bombas atômicas, inda continuam a merecer balim,
Grão de chumbo de grande diâmetro, enquanto não
Parar com a caça e não partir para o balípode, o 
Neologismo proposto para substituir o termo futebol, que foi
Adaptado do inglês; contudo, não vingou e se ainda
Teimar, apedrejar com a balista, a máquina de guerra
Com que se arremessavam pedras, se teimar em matar
As baleias, usar a besta e todo teor balístico, toda
Ciência de lançar projéteis e fazer um balizador, uma
Balizagem, marcação cerrada; pregação com balmázio,
Pequeno prego de cabeça redonda usado em várias indústrias,
Pregar com balmaz, aqueles que ainda querem comer
Baleia; sou veemente contra, deixe-as balnear, nos banhos 
Em alto-mar, deixe-as no balneatório, no balneável como se Estivessem na balneologia, nos banhos para uso terapêutico, 
Ou a usar a balneoterapia para tratamento; e acasalamento Balneoterápico, deixe-as com suas caldas de balonas,
Iguais colarinhos de camisa pendente sobre os ombros, como
Ainda se usa hoje as crianças; parem com o crime balordo:
Com a caça suja, com o arpão bronco e com o caçador
Estúpido; balote para eles, balroa com fardo de algodão para as
Baleias, arpão com fateixa e abalroar os japoneses e demais
Assassinos de baleias; balroar o bambambã, abalroar o valentão,
Multá-los com balsamadina, óleo cheiroso que vegetal
Segrega; untá-las com balsameias, suco de bálsamo e o balsami,
Do grego balsamon, balsamificar viva as baleias, ao protegê-las.

Nenhum comentário:

Postar um comentário