segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Sofro de biofobia crônica pois tenho horror tão mórbido à vida; BH, 0120902000; Publicado: BH, 050902013.

Sofro de biofobia crônica pois tenho horror tão mórbido à vida,
Que não mereço continuar a viver; um ser que não é biodinâmico,
Não conhece a teoria das forças vitais da biodinâmica, precisa mais é de
Um bioco fúnebre, uma mantilha funesta para envolver
O rosto da covardia, com o capuz do medo; quereis saber
Mesmo, não tenho o "bio" do grego "bios", o elemento de 
Composição designativa de vida; não faço parte da 
Biologia humana, não chego à idade muito avançada,
Não sou longevo e nem vivo muito, não carrego o senso
Macróbio na minha composição; muitos que vivem
Longa vida, são até bínubos, casados em segundas
Núpcias, usam binômino, têm dois nomes; é binominal,
Fenomino que em ciência, é expressão de uma série
De fatos análogos, que nem ao binoculizar, nem ao
Olhar com o binóculo, pode se ver em mim; imagem
Incompleta e não binocular, que não serve aos dois
Olhos e que não pode ser fixada, como a que pode 
Fixar a vista em dois campos ao mesmo tempo,
Imagem que não compõe o binoculado, que não
É relativo a ambos os olhos, como o microscópio com
Duas oculares; tenho dois olhos mas pareço não
Ter nenhum, mais do que binerval, infinitivo
Binérveo, sofro com minhas eternas nervuras; e o
Fato de não me binar, de não praticar a binagem,
Não me qualificar a dar segundo amanho a
Terreno mais do que árido que sou; já que
Não digo missas, nem com permissão superior; a
Fazer operação de sericultura, que consiste em
Juntar dois fios ao fio já torcido do casulo, pois
Todo os meus fios estão queimados e a queimada
Acabou de destruir a binada, as folhas que estão
Dispostas duas a duas nos ramos; e que no espaço de
Dois meses, no bimestre, não aparecerá outra igual
E não quero mais me iludir; não quero mais me
Enganar, lograr prejuízo comigo mesmo, me roubar a
Verdade; e bigodear com a minha bigodeira, o
Meu bigode farto a farsa da falsa realidade da vida;
Homem vil, desprezível, com falsa devoção e velhacaria,
Biborrilhas do bigotismo, tem mais é que ser bem
Trespassado por objeto bigúmeo, por lâminas de dois
Gumes e tratado, bijugado, menor do que o certo
Qualificativo das folhas que têm pares de folíolos num
Pecíolo comum e ser puxado em vias públicas,
Arrastado por bíjugo de cavalos e pisado como
Se fosse uma bijuteria reles, joias sem valor e obras
De arte sem cunho clássico; e ter o bil, do latim bilis,
Correspondente a vel de terríbil para terrível e ainda
Se encontra em formas eruditas, flébil cadáver;
Núbil sem noiva, hábil lesma em substantivos
Derivados de adjetivos, amabilidade inócua e fria,
Na formação de superlativos sintéticos
Correspondentes também; amabilíssimo insensível e sem
Dúvida sensibilíssimo bilabiado, com lábios de bilabial, de 
Consoante que se pronuncia com o lábio superior e
Inferior, bilaminado, como lâminas de bilaterados, colocados
Em opostos lados; o bilbaíno, de Bilbau, Espanha, na
Bilharda do jogo de rapazes, com paus a bilhardar,
Dar vezes a bola com taco, ou jogar ao mesmo tempo
Bilhar de bilhardoiro bilharista, que a esquistossomose
Bilharziare, do médico alemão T. M. Bilhaz, evitou o cartão
Franqueado, o bilhete postal, correspondência fatal para
O bilhosetirn e bilhetes-postais para os compassar no inferno. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário