terça-feira, 28 de novembro de 2017

Desde que nasci que sou assim bisonho e um boi inexperiente; BH, 090802000; Publicado: BH, 0190802013.

Desde que nasci que sou assim bisonho e um boi inexperiente 
E um bezerro principiante, este búfalo acanhado e tristonho;
Meu composto biológico é de vaca a caminho do matadpouro,
Minha biologista especialista é de touro manso a caminho do 
Abatedouro, a rês desmamada de cedo, que o biólogo da 
Vida tira a vida atrás do biombo, do anteparo da morte, para
Divisão, ou proteção de interiores; e na biometria, no ramo
Da biologia que aplica aos seres vivos os métodos da
Estatística e o cálculo das probabilidades; sofri a biopsia,
A retirada de um fragmento do tecido vivo de um ser morto
Para estudo no microscópio das alterações inexistentes e do
Estudo do aspecto químico dos processos biológicos; e na biópsia da 
Bioquímica do bióxido, o óxido que encerra dois átomos
De oxigênio por molécula a bipartir-se, a dividir-se em 
Duas partes; bípede que tem dois pés, como o biplano, o avião
Que tem dois planos de sustentação, asas para voo; e até hoje não
Consertei-me, não sei o que é o correto, não sei o que é o certo, a 
Ponteira, o remate que se ajusta à ponta da coisa, esvaída pela
Biqueira saliente, por onde minha vida indigente, da fachada para 
Escoar a água dos telhados, o bico da calçada, o biquíni da moça do
Rio de Janeiro; o maiô de duas peças exíguas, agora reduzido a uma
E amanhã, se Deus quiser, a nenhuma; sou birita, caipira que não se
Acostuma com mulher vestida, a quer nua e que cada vez quer ver mais,
Como jogo de cartas; e o birmanês, natural da Birmânia, da birosca,
Onde ninguém tem nacionalidade; a bodega onde a birra, a teima, a
Manha, vai até de manhã; termina com a primeira estrela do seresteiro
Birrento, chorão, que se faz de teimoso para cantar feito biruta, saco
Cônico e sem fundo que a girar ao sabor do vento de superfície e
Indica a direção deles nos aeroportos; que o maluco pede bis, duas
Vezes adoidado, na repetição das mesmas palavras cantadas, ou
Declamadas e faz bisar o bisão; o boi selvagem da América do Norte,
Que se fez repetir matanças do tempo do meu bisavô, pai do meu avô
Pai do meu pai e da minha bisavó, mãe da minha avó, mãe da minha
Mãe, cujas bisbilhotices deixadas pelos bisbilhoteiros da história, mostra
Quão intrigante foi o homem branco; quanto metediço e enxerido, contra
Os peles-vermelhas e ao bisbilhotar a saga, ao fazer os mexericos
Desconhecidos; vêm à tona a injustiça, o intrometer-se nos assuntos
Internos dos outros, esquadrinha a riqueza alheia, para depois apoderar-se,
Como se fosse uma bisca; ser sem caráter, sem préstimo; quanto à maioria
Do povo americano, para com os seus próprios e para com os outros, na
Transformação em biscate, em serviço avulso, o serviço dos outros em
Biscateiro os povos de outras nações, ao entulhar os países com entulhos,
Enlatados, biscoitos que nem levam massa de farinha, com outros ingredientes,
Em forma de tabletes, onde argolas cozidas ao forno, ou fritas; e passa aos
Seus bisnetos, aos filhos dos netos, ou das suas netas, o controle do mundo;
Da bisnaga que incha, do tubo flexível, do metal, do plástico, do provido de boca
Pela qual sai, mediante pressão, tinta em pasta; e o dentifrício, a pomada e o
Tipo de pão comprido, fino e roliço, que não mata a fome da África e que não
Acaba com a miséria e a pobreza e gira armas e armas e armas e drogas e
Drogas e drogas e violência e violência e violência e dólares e dólares e
Dólares; e o biscuit, a porcelana fina, que imita o mármore branco e o biseanté,
Vidro cortado obliquamente, bisel da borda chanfrada ao biselar o bismuto, a
Talhar em metal, a chanfrar no elemento químico de símbolo Bi; com a bivalente
Que tem duas valências, contra o bivalve; o molusco, ou fruto que tem duas
Valvas, ou conchas, o bivaque da parede obrigatória no campo entre árvores;
Para descanso do boi-surubim o bailado popular dramático do nordeste; o
Bumba-meu-boi à chegada do boitatá, denominação popular do fogo-fátuo, o
Gênio do folclore que protege o mato contra as queimadas; e se apresenta
Como uma cobra de fogo, ou como um touro que põe fogo pelas ventas,
Junto com o boiúna, o mito amazônico, que pode ser um navio mal-assombrado;
A senhora das águas, ou a cobra grande que mata a fome com boi-vivo; comida
Feita com testículos de boi para encher o bojo, a saliência estomacal, a conexidade 
Da fome, é a barriga vazia, que mina a capacidade, suga a resistência, destrói a Envergadura; esvazia o alforje; a mala pequena de couro não curtido e do bocó da 
Pessoa tola, boba, e ingênua; cassa os direitos, cassa os poderes e do boçal herda 
O ar estúpido, o comportamento grosseiro, o semblante do ser ignorante no extremo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário