quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Este é o meu boletim a publicação noticiosa e informativa que fala; BH, 0100802000; Publicado: BH, 0170802013.

Este é o meu boletim a publicação noticiosa e informativa que fala
Tudo de mim; é de pequeno formato, impresso e de propaganda
E a relação escrita das notas e do aproveitamento que, durante 
Toda a minha vida e nunca soube ter; fui o pior dos alunos,
De todas as escolas e nunca quis aprender, esta é a periódica oficial
De todos os meus zeros e notas negativas que, acumulei até aqui;
E quando toca o bolero, música e dança de origem
Espanhola, fico quieto com a minha castanhola, como
Se fosse um casaco curto, usado para mulheres, em geral sem
Mangas e esquecido na boleia, de algum assento de cocheiro, de
Motorista e de peça de carruagem onde se prendem os tirantes;
Um dançarino que nota-se o bolear da barriga, o arredondar
Que dá a forma de bola à cintura, não pode ser bom de
Boleio; o arredondamento atrapalha o dançar, como as bolas,
As boleadeiras, utensílio usado pelos gaúchos para imobilizar
E derrubar o boi em disparada, o atrapalha de correr e que consiste
Num conjunto de três bolas pesadas e unidas por correias, às quais
Se dá movimento giratório e se atira às pernas traseiras do 
Boi, nas quais se entrelaçam, a levá-lo a cair; e se sentir 
Preso, como num boldrié, a correia de tiracolo, na qual se prende
Uma arma, ou se firma o pau da bandeira, talabarte; e o 
Bolchevista, o caçador bolchevique, partidário do bolchevismo e
Todos comunistas presos, destruídos, desaparecidos, jogados
Em alto-mar, mortos sob torturas, fuzilados da América Latina
E do mundo, tudo por causa da doutrina e do sistema
Político dos bolchevistas, que consiste em aplicação integral
Dos princípios socialistas, o comunismo, que a humanidade
Levará séculos para estar à altura e preparada para exercer
E usufruir; hoje a uma simples menção faz bolçar, faz lançar fora,
Faz vomitar, expressão de reprovação, causa a mesma
Acepção e é só no futuro, na evolução da espécie, é que
Estaremos preparados para o socialismo, a corrigir os erros do
Passado e a mostrar os louros e os lucros do futuro; e fazer
Uma homenagem a todas as almas que foram lançadas na bolandeira,
Como a cana de açúcar, na grande roda dentada dos engenhos,
Que transmite movimentos às moas; e os corpos às máquinas
De descaroçar algodão: homenagens a todos esses comunistas que,
Grandes quantidades de dinheiro, não os desvia dos seus
Ideais; bolada de verba não os descia dos seus caminhos, nem mesmo
Pancada com bola, bolada de qualquer outra coisa, abate-os os
Ânimos; bolacha no rosto, biscoito na cara e deixar morrer
De fome, depois de correr pelo aro, a bola-ao-cesto do basquete; e
0 corpo esférico, maciço, ou oco, o juízo que a gente pensava ter
Dentro da cabeça, é gracejo espirituoso, o iluminado que nos falta
Nas horas críticas e nos alimentam com a comida envenenada
Para matar animais; a piada que somos à vista dos outros,
Comer a literatura como se fosse jogar otimamente futebol, que 
Dá banho e goleada nos outros e escritores, reconhecer tarde
O erro de ligar importância às mentiras e boatos e de permitir
A intimidade que não soubemos evitar, levar a ser subornado,
Vale mil vezes mais um bom jogador de futebol, a um bom
Leitor, um bom escritor, um bom autor, que para todos parece
Não ser certo, e sofrer da bola; o meio maluco que tenta de 
Teimoso sobreviver das letras e venera a boina sagrada,
O boné inteiriço e sem pala, que Che Guevara consagrou como
Símbolo maior da revolução; o boiadeiro condutor da boiada,
O médico comprador de gado para vender vivo, vender liberdade,
Vender dignidade, vender indignação, com o baião cheio
De injustiça, o vaso bojudo e de boca larga, a transbordar de
Pobreza e de miséria, de desgraça e de destruição; a boiada,
A manada passiva de bois, a boia a chegar para levar o
Ditador, banir o Fulgêncio que entregava o país e deixou
Fidel, como um objeto flutuante, fixado por uma corrente,
Ao fundo de um rio, ou do mar, para indicar a rota
Que devem seguir as embarcações; Fidel Castro é esse
Salva-vidas, igual os usados pelas pessoas que estão a aprender
A nadar, ou em embarcação a ir a pique; Fidel Castro é esse
Corpo flutuante, tal o que é ligado a uma vareta
De metal, a qual veda a água que entra nas caixas
Quando elas se enchem; e como veda a comida de caserna,
A refeição ruim e nada modesta, imprestável que os
Estados Unidos da América do Norte querem impor a todo o mundo, pois
Eles pensam que são o bofe, o pulmão; e na verdade, todo mundo
Pensa comparador com mulher muito feia, fressura de animais, que
Não valem a renda ade babados no peito dos antigos
Vestuários; são piores do que o bôer, o sul-africano descendente
De holandeses, que persegue os negros na própria casa; são piores
Do que o boêmio, da Boêmia, região da Tcheco-Eslováquia, o natural
E o idioma falado, os ciganos e até mesmo do que os que
Levam a vida na boemia das farras, sem compromissos e o
Bodun que exala deles, é pior do que o mau cheiro
Característico do bode não castrado; do que o suor mau
Cheiroso de certas pessoas; só mesmo o abater de bodoque,
Arco retesado por um fio, ou tira, o qual serve para
Disparar pedras roliças, ou bolas de barro; a funda que David
Derrubou o gigante Golias; iguais aos maus bodogueiros, o 
Dono de bodega, que mistura água ao vinho, o dono 
De botequim, tasca que rouba nas contas, nos pesos e
Só vendem coisas que não prestam; e se pensam o bode, o 
Cabrito adulto, o macho da cabra, o homem sensual e 
Vendem o conflito, vendem confusão e de toda nação
Faz um bode expiatório, como pessoas a quem são
Imputados todos os reveses, ou sobre quem se fazem
Recair as culpas alheias; e boda lá, celebração de casamento
E a festa que acompanha; a comemoração das bodas de
Brilhantes, pelos cônjuges, 75º aniversário de casamento; e de
Diamante, 60º e de ouro, 50º e de prata 25º; lá a família acabou,
Vivem de bócio, papo que se forma à altura do pescoço de
Certas pessoas, provocado por uma difusão hipertrófica da
Glândula tireoide; e é lá que é a boceta do mundo,
É lá a caixinha, a bolsa de formato arredondado, para rapé
E fumo desfiado; é lá o órgão sexual feminino, o cu
Do mundo, aonde se leva muita porrada na bochecha, a
Parte mais saliente e dilatável de cada uma das faces;
É lá aonde ainda se toma as bolas da gente e derrama
O nosso leite quente no nosso colo; nos manda bochechar com
Veneno, agitar em líquido de cianureto em bochechos a
Agitação na boca, monstruoso bochechudo na hora da morte, o
Bojudo converso; boqueirão maldito, cova grande e profunda, tal
Abertura de rio, ou canal, passagem estreita entre vertentes; o 
Beijo do Judas que causa a boqueira, moléstia infecciosa que
Provoca ligeiras ulcerações nas comissuras dos lábios; o importado
Bookmaker quem ilegalmente, anota as apostas de corrida de 
Cavalos, o bonzo bon-vivant, sacerdote budista, que não gosta 
De trabalhar, ou se incomodar; boa vida portador de bônus,
Título de dívida pública ao portador com vencimento em data
Certa o precatório que enriqueceu muito aproveitador; falei e
A minha bonomia minha qualidade de bonachão toda a
Pachorra que carrego é em vão; não sou o bonito não sou
O belo de boa aparência mais pareço um peixe de mar fora
D'água algo que expressa censura e toda reprovação humana
Morri sem uma ação nobre e de grande valor e aqui
Meus caros e nobres amigos meu boletim acabou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário