quarta-feira, 30 de setembro de 2015

MIKIO, 59; BH, 0230202013.

Graças, adeus, não tenho dinheiro e
Aprendi, quando era crente que,
Não devia ajuntar para mim
Dinheiro, pois, onde estiver o
Dinheiro, ali estará o meu coração;
Graças, até logo, por não ser mais
Crente e nem ver mais a letal
Desvirtuação dos que se dizem
Crentes; antigamente, aos crentes
Do meu tempo, bastavam a Palavra,
Jesus Cristo era a única esperança e
Deus era o único amor; não consigo
Comungar o mesmo ar abafado, o
Mesmo ambiente de mofo dos que
Se gloriam e se vangloriam de serem
Crentes e os únicos salvos; e não leio
Mais nada na velha mídia a respeito
Dos crentes crentes, dos crentes
Católicos, dos crentes espíritas, dos
Crentes muçulmanos e outros
Milhares de crentes espalhados
Pelo mundo nas milhares de
Religiões; e não leio, pois, nada
Mais interessa-me de religião,
Teologia, canonismo, nada; não
Perturba-me mais as cifras
Secretas do Vaticano, o apego aos
Cifrões dos nossos pastores
Eletrônicos e até a fé cega que os
Crentes chegados depositam no
Que o dinheiro pode conseguir-lhes;
Lembro-me duma feita, alguém a
Perguntar: Mestre, o que farei para
Ganhar a vida eterna? vende tudo
Que tens e distribua entre os pobres;
Com a palavra os bem ditos crentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário