terça-feira, 5 de junho de 2012

Ainda assinarei uma obra ilustre; BH, 0120901999.

Ainda assinarei uma obra ilustre,
Inda saberei fazer o assinalamento,
De uma expressiva obra-prima;
Não sei quando assinalado
E nem como, porém, ainda
Vou assinalar um tento,
No classicismo brasileiro;
Vou marcar com um clássico sinal,
Verdadeira obra de arte;
Mostrar sem timidez,
Tudo que puder esvair de mim,
Em forma de arte,
Cultura e modernidade;
E apontar à humanidade,
Em mensagens de amor,
Paz e fraternidade,
A possibilidade de se viver,
Aqui mesmo neste mundo,
Sem precisar morrer,
Ao torná-lo um pouco melhor;
E salientar com nitidez,
A importância da verdade,
Da paz e do amor;
Sem ser medíocre, piegas,
E eternamente repetitivo;
Pode ser que esteja enganado
E que nada disto
Venha a acontecer;
Pode ser que morra antes,
O mundo até acabe,
O sol esfrie e a Terra
Gire ao contrário;
E não consiga deixar,
A minha assinatura,
Numa peça titular
E nem na mensagem de aqui jaz
Na minha sepultura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário