terça-feira, 5 de junho de 2012

Se um dia acordar; RJ, 080101999.

Se um dia acordar,
Ressuscitar de vez,
Perder o medo e a covardia;
E o meu acordar,
A minha ressurreição,
For de coragem e fé;
E o meu estalo,
For de vida e paixão;
Tenho toda a certeza,
Que nada me deterá;
Pois o meu abismo,
É este sono infinito,
Do qual não consigo acordar;
E não perco a esperança,
Não perco a ideia
E nem o ideal,
De um dia sair deste pesadelo;
Desta latomia eterna,
Onde agonizam minha alma,
Meu espírito e meu ser;
E todos os meus dejetos,
Na latrina de minha mente;
Se realmente um dia qualquer,
Uma força desconhecida me mover,
Tirar-me desta inércia,
Desta letargia abominável,
Onde qualquer ventinho,
Posta-me por terra;
Aí serei um novo ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário