terça-feira, 12 de junho de 2012

Alguém precisa apontar o dedo; BH, 0170801999.

Alguém precisa apontar o dedo,
Na cara dos hipócritas inescrupulosos;
Alguém precisa fazer ponta frente aos olhos deles
E denunciá-los aos olhos do povo;
E aguçar a memória do trabalhador,
Para começar a surgir um movimento,
Que venha derrubar a burguesia,
Derrubar a elite, a classe política
E todos que navegam contra o desejo
De emancipação da classe trabalhadora;
É hora de despontar no horizonte,
Uma nova filosofia voltada ao operário;
É hora de alguém indicar o caminho,
Contrário ao da classe dominante;
Perpetua-se no poder ao perpetuar
O sofrimento, o massacre e o extermínio
Das melhorias de vida da população;
É preciso mostrar com o dedo,
Todos os inimigos do povo;
Fazer gestos obscenos em direção a eles,
E lançar-lhes na cara objetos deteriorados,
Iguais aos que eles têm dentro das cabeças;
Nunca mencionar o nome dessa raça,
Víboras mesquinhas e serpentes traiçoeiras;
Alegar amnésia na hora de lembrar deles,
Marcar os passos e os desvios das rotas,
Que eles sempre tomam quando chegam lá;
Anotar todas as mentiras e falsidades
E fazer pontaria na cara deles com o mesmo
Bolo de lama deixado pelas pegadas sujas;
Designar a verdade para envergonhá-los
E encurralá-los nos próprios chiqueiros chiques;
Assinalar uma mosca no peto de
Cada um deles e puxar o gatilho assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário