terça-feira, 18 de julho de 2017

Minha mente está desembestada e numa corrida impetuosa; BH, 0220302001; Publicado: BH, 040202014.

Minha mente está desembestada e numa corrida impetuosa,
Contra a vida e a morte e insofreável, de cavalo quando toma
O freio nos dentes; é que, perdi toda a inteligência, tal qual o 
Ato de tresmalhar-se o gado, na disparada pelas pradarias, 
Num tudo, em busca dum nada; pois, a minha alma é dispar, 
Totalmente desigual e ainda diferente e a disosmia, a pertubação
E o enfraquecimento do olfato, não deixa-me perceber, o cheiro 
Do saber; a falta de apetite que causa-me a total ausência de 
Sabedoria e a disorexia que causa-me a falta de conhecimento, 
Como a fraca visão, da disopia, de minha miopia hereditária
Que, não permite-me enxergar, ter o dom do visionário; antes 
Que a dismnésia, a fraqueza da memória tomar conta da minha
Cabeça, lembranças e recordações; e tudo isso me faz 
Chorar, tudo faz-me prantear, um pranto dismenorreio, um 
Chorro de lágrima, tal a dismenorreia, a menstruação dolorosa; 
E a pertubação da expressão verbal, impede-me de falar em 
Virtude, razão e qualidade; por defeito da inteligência que, 
Ocasiona uma interrupção súbita em meio de uma frase, não
Consigo, por causa da dislogia, expressar uma
Única sentença; e o que resulta é a repugnância
Pela dificuldade mental e patológica de ler; é a
Dislexia que afoga-me na ignorância, que sufoca-me
Nas trevas e no vácuo da dislalia, por não articular
Palavras; nesse caso geralmente devido a lesão de
Órgãos externos e igual num disjuntivo da preposição,
Em que há dois predicativos, um dos quais tem de
Convir ao sujeito, com exclusão do outro; sou o outro,
E não componho as conjunções que estabelecem
Alternativas entre duas preposições contraditórias;
Sou a contradição, a dúvida e a ausência e próprio
Para disjungir, próprio para desunir, para separar,
Não consigo agregar em volta de mim, um único
Ser, ou ente, ou porvir; gostaria poder soltar-me do
Jugo, desprender-me da inércia e deixar de ser a
Alternativa, cujos membros se excluem mutuamente;
Deixar de ser a separação existente numa rocha
Pelas juntas, ou a supressão da conjunção copulativa
Entre duas frases; basta, meu ser não quer mais
Divisão, meu ente não chama-se mais desunião;
Basta de separação, de disjunção tão mórbida,
Prostrativa, funesta; para a disidrose, a secreção
Sudoral, cura a afecção cutânea caracterizada
Por vesículas nas mãos, e nos pés; e só sei que
Nesta disfunção, perturbação de uma função
Somática, o que gerou foi este ser disgenético,
Vindo dos indivíduos infecundos entre si, mas
Fecundos com indivíduos de outras raças; e o
Disgenésico, cujo o exemplar desconforme,
Extraordinário, é justamente este desproporcionado,
Monstruoso e disforme, que vos entretém, aqui 
E agora, com este deformar de escrita, o disformar
De toda a linguagem, o mal-estar e a ansiedade,
A alteração mórbida da saúde mental; e a disforia  
Física e é aí, que preciso de um disfarce, de um 
Fingimento e de uma dissimulação; preciso de tudo
Aquilo que serve para disfarçar, acabar com a 
Disfasia, e mandar para longe qualquer dificuldade
Ao falar e tudo que possa disferir-me, engrandecer-me,
E dilatar a minha consciência, sem a alteração da voz,
E a rouquidão da palavra, o som disfarçado da disfonia:
Cansei de ser assim, simulado e fingido; falso e 
Encoberto, despistado, a verdade não pode mais
Causar-me disenteria; deixei de ser aquele que sofre
E qualquer teor referente a disentérico, com irritação
E inflamação aos intestinos, de que resultam evacuações
Líquidas e constantes, pois a realidade parou de me 
Causar o incerto da alteração do sangue; o problemático
Que se pode discutir, tal assunto controvertido e não
Pretendo impugnar-me, só defender-me, a contestar sem
Contender e debater em questão, a examinar, a investigar
A atender as provas e pró e contra. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário