segunda-feira, 10 de julho de 2017

Se fores ao Chile; BH, 0290602017.

Se fores ao Chile, 
Reza uma prece ao pé da sepultura de
Pablo Neruda,
Por mim;
Não sei rezar, 
Tenho fé nas preces fortes,
Nas orações antigas,
Como as rezas dos caboclos,
Escravos e índios pajés;
Pablo Neruda,
O nosso maior poeta chileno,
Amante da liberdade,
Combatente das injustiças,
Lutador pelos direitos sociais e humanos,
Foi assassinado pela ditadura de Augusto Pinochet;
Defensor da legalidade do presidente Salvador Allende que,
Morreu em combate,
Ambos derramaram seus sangues,
Para chegarem às veias abertas da América Latina;
E deram suas vidas pela humanidade,
Ao abrirem mãos de confortos,
Ao desprenderem-se da vida e entregarem-se à morte;
Se fores ao Chile,
Levanta bem alto a bandeira do país,
Reverencia o povo trabalhador chileno,
A população indígena que,
Também luta pela sobrevivência e preservação
Das culturas e dos costumes;
E a inspiração poética que,
É a cordilheira dos Andes,
Quem não se faz poeta em altar tão consagrado,
Em santuário tão rico e não é preciso viver em
Tal paraíso,
Só navegar e amar e existir,
Ter a paz do gelo que,
Cobre o cume da cordilheira,
Ser a cordilheira,
O céu e a terra e o mar,
Ser o ar que,
Envolve o Chile;
Se fores ao Chile,
Morra pelo Chile,
Como morreu um Pablo Neruda,
Como morreu um Salvador Allende
E muitos outros trucidados em nome da liberdade,
Para viverem na glória da História do Chile.

Nenhum comentário:

Postar um comentário