quinta-feira, 6 de julho de 2017

Podeis martirizar-me e confesso e mereço; BH, 0301002001; Publicado: BH, 0140802014.

Podem martirizar-me e confesso e mereço-o, 
Podeis lacerar as minhas carnes, já estão podres e
O escarnificar-me, para mim, não representa nada; 
Sou vítima dum escarninho, tudo em mim reflete no que, 
Há de escárnio; sou vítima constante dum escarnimento, 
Perseguido por um escarnecedor e só assim penso que, irei 
Pagar as minhas faltas; só assim pretendo um dia ver-me verme
Livre dos meus pecados, erros e falhas; só com muito escarmir e 
Com mais escarnecer, fora disso, o castigo de subir uma escarpa, 
A carregar um rochedo, encosta íngreme acima e do alto do escarpado, 
Ver a rocha despencar e ter que buscá-la de novo, para outro escarpar;
E para o próximo cortar e de certo enfiar a mão na escarradeira, no vaso 
Em que, se escarra, onde é depositado o escarro coletivo, e retirar a moeda 
Suja e todo aquele que vier escarrar, mesmo o indivíduo muito parecido com 
Outro, lançar na minha cara o seu excremento; sou contido por natureza, 
Submisso, não sei nem escarranchar-me, ou assentar e montar a abrir
Muito as pernas; não sei escarrapachar-me, nem cair ao comprido, ao 
Estatelar-me de cima do meu andor, de meus pés de barro, caio sempre 
De ponta cabeça, mesmo sem ter cabelo para pentear e nem mistério 
Para desvendar e nem história para escarrapichar; não fujo de quem
Quer escarrar no meu rosto e todo aquele que vier expectorar na minha 
Face, darei o outro lado; é expelir o escarro em todos os lados da minha 
Cara, usar toda matéria mucosa que se expectora do peito, pois, sou uma 
Coisa, uma pessoa desprezível; uma madeira que não serve escarva, 
Para encaixe por onde se unem duas peças de carpintaria; o escarvador 
Não escarva no meu nó, o instrumento para escarvar, para carvar 
Superficialmente, não faz efeito na minha matéria endurecida, pois, 
Começa a escassear em mim os sentidos e tornar-se escasso os meus
Sentimentos e a falta de elementos; morro pela escassez de capacidade, 
Pelo poder escasso da qualidade, de competência e sinto que, há pouco em 
Mim de vontade e é mais raro ainda o ânimo; já fui incluído várias vezes no tratado 
Acerca dos excrementos e nomeado na doutrina das coisas que deverão acontecer 
No fim do mundo, pois, meu destino é escatológico e a escatologia é a minha ciência; 
E no futuro, na escavação que virá no fim dos tempos, não encontrarão vestígios 
Meus, no desentulho geral, meus simulacros estarão desaparecidos; e será em vão 
Qualquer investigação em busca de meu fóssil, podeis partir em cavacos meus ossos, 
Podeis escavacar meu esqueleto e investigar e escavar meus restos mortais: só 
Encontrareis o oco, o pó, a poeira do escaveirado, o pó muio magro, o osso 
Descarnado; olho no espelho e estou semelhante à uma caveira, nada mais poderá Escaveirar e nem escaxelar este mendigo; a parteira, vi-o alquebrar-se ao nascer, o
Legista, vi-o desconjuntar-se ao morrer, rescindir a morte da vida, separar a vida da 
Morte; cortar a alma do corpo, escindir o espírito do ser e esclarecer o ente, no claro Pensamento, no compreensível da mente, no explicar da memória, alvorecer a 
Lembrança; e informar o ocorrido e instruir o ignorante, levá-lo de encontro ao 
Raciocínio e podeis zombar, quero deixar douto o cadáver e dotado de ilustração
O cego e de esclarecido o estúpido; podeis rir, porém, quero o esclarecimento para 
Todos, uma explicação lógica, uma elucidação racional, uma informação completa; não
Tenho medo de esclerosar-me, tornar-me um escleroso, de crônica esclerose e qualquer Endurecimento dos tecidos e dos vasos orgânicos, em virtude de moléstia, podeis alar, mas a Pior moléstia é a falta de virtude e não a esclerótica, a da membrana externa do globo ocular.

Nenhum comentário:

Postar um comentário