quarta-feira, 26 de julho de 2017

Minha mente não é o fruto que tem a polpa cheia; BH, 01201002000; Publicado: BH, 0210102014.

Minha mente não é o fruto que tem a polpa cheia
E suculenta; meu pensamento não tem a aparência de carne,
Não tenho o espírito polpudo, carnoso e rico em memória;
Sim, sou um carniceiro carnívoro comedor de cadáver, que se 
Alimenta de carne e da ordem dos mamíferos plantígrados e 
Digitígrados; um indivíduo de índole perversa, sanguinária, 
Igual ao médico-cirurgião pouco experiente e inábil e ao que faz
Aborto em clínicas de fundo de quintal, a aumentar a 
Carnificina extra-oficial; o abate indiscriminado e 
Exterminador de crianças e na mortandade infantil;
O homem hoje não é mais carneiro, não é mais o mamífero
Criado para fornecer lã; não é mais estrela de constelação
E nem signo do Zodíaco, áries, perdeu a índole mansa e 
Submissa; hoje cabe num ossário pequeno nas paredes de cemitérios,
Hoje é um amontoado de carne-seca, de carne salgada de vaca, de 
Pedaços de charque carunchoso, atacado pelo carruncho, cheio da 
Térmita que corrói, destrói a madeira, ou cereal armazenado em grão;
Gorgulho cheio de velhice e nesta carta, nesta comunicação
Escrita e que não remeto a ninguém, deixo aqui só 
Para mim mesmo, registro e epístola, missiva de alguns
Pensamentos ambíguos, inadequados e inacabados e pequenos,
Como os cartões dos baralhos; é um mapa do que trago e tenho
Dentro da minha ilha, um diploma sem cursar curso algum,
Sem defesa de tese, ou de teoria; uma carta aberta e que 
Não é dirigida a alguém através da imprensa e nem 
Mudará e nem melhorará a Constituição e nem tirará os
Alfinetes do papel em que são espetados em grupo para venda ,
De toda riqueza que a nação brasileira possuía;
E perdeu a fiança natural, o documento pelo qual,
Quem quiser responde pela dívida de outrem; nós 
Não, a Magna não poderá deixar a entregação do 
Tesouro de maior patente, de maior título de declaração
De privilégio, que são as vantagens e as regalias que a
Nossa rica natureza nos legou; o povo tem que ter
Plenos poderes de ação para resguardar e preservar o que
O governo luta tanto para entregar; o povo tem que ter
A carta branca; pô-la na mesa e usar de franqueza,
Não deixar-se dominar e ter sempre o poder de decisão;
Maior do que o juiz, que pede providência a outro por
Precatória, fora de sua jurisdição; para numa cartada
De recurso extremo, lançar a última tentativa de negócio
Ousado, tipo lance de cartas e reverter o jogo que
Parece perdido para o governo, mas não está; o governo
É só um pedaço de papel retangular muito encorpado,
Uma visita desagradável a quem temos que fazer sala,
Que imprime seu nome, sem endereço e sem profissão
Na nossa história; é um postal que deixaremos esquecido e 
É por isso que sou aquele burrico que puxa aquela carroça,
Aquele carro tosco, para cargas; sou aquela cavalgadura e
Aquele boi de qualquer veículo moroso, que pisa devagar
As poeiras do caminho; e sou pisado pelas patas desses bois ao
Ter nas costas a carroçada, toda a carga e tudo que a
Carroça pode transportar; sou o carroção, o grande carro de bois
Coberto de toldos, para gêneros, pessoas, caravanas; tenho todas as
Marcas da pedra de dominó, que tem seis de cada lado e na
Matemática, a expressão, o problema de muitos termos, perdido
Na solução, na resposta sem abrigo de cimento armado
Encravado na terra; o bunk com, ou sem peça de artilharia
Para defender uma posição, alojar soldados, munições e
Mantimentos; e cai a casamata da realidade da sociedade tão
Perversa e injusta que carregamos nas costas, na nossa
Carroçaria, na parte dos automóveis, onde vão o motorista
E os passageiros; e nos caminhões onde vai a carga e da
Estrada que permite passagem e rolagem precárias, carroçável,
Do carroceiro; eu que guio e que conduzo a minha
Vida de carrocinha, simples, pobre, de duas, ou três rodas para
Pequenos objetos, igual a utilizada por vendedores ambulantes;
É o coração fechado com grades, para captura de cães vadios
E passa pelo rodízio, pelo círculo plano de madeira, para
Diversão de crianças em parques e que giram em torno
De um eixo, como um carrossel sem dono, uma carruagem
Sem freios, sem controle, um carro sobre molas puxado por
Parelhas de cavalos; e para este livro volumoso e antigo, para 
Esta pasta deixo a coleção de documentos por mim escritos,
O calhamaço de folhas, fragmentos de cartapácio e a folha 
De papel com dizeres e ilustrações, a fazer a propaganda do
Artigo, a anunciar o acontecimento, em lugar público,
Com a fama que terá a boa cotação do cartaz, a boa 
Performance do cartazista; a sorte no carteado, o azar 
Qualificativo no jogo de vaza em cartas, qualquer
Carteamento, no jogo de baralho, calcular o ponto em que
O navio se encontra para cartear, as correntezas do mar;
A correspondência do carteiro, a carteira de Judas, a bolsa
Pequena de couro, ou era de outro material, hoje,
Receberia cédulas, levaria documentos e as moedas
No bolso; na pequena caderneta de anotações e lembranças,
A anotação do fatídico ato, na mesa de escrever, na
Escrivaninha, o arrependimento e o desabafo; e a
Maneira do suicídio, evoluiria da corda para o três oitão,
Não teria a designação de seção de estabelecimentos
Bancários e o carteiro, funcionário dos correios, que não
Traz-me nada  do Rio de Janeiro; nem os telégrafos dizem-me
Nada de telegramas, parou a entrega aos destinatários;
Assim não tem chegado o meu capim, nenhum dístico,
Rótulo, ou provocação que faça-me reagir; é vergonhosa,
Como diz Boris Casoy, isso é uma vergonha, a combinação
De empresas comerciais no sentido de eliminar a 
Livre concorrência, pela divisão do mercado entre si;
E pela fixação dos preços dos produtos, o hediondo cartel,
Que faz ajuste entre associações e sindicatos, ao ter
Em vista uma ação comum, globalizante e neoliberal; 
Vale uma reclamação para colocação de inscrições, vale 
Uma faixa de protesto, uma cartela vermelha, na superfície
Lisa de pedestais e de estátuas e destruir esse cartes;
Destruir o invólucro de metal destinado a proteger
Esse mecanismo como se fosse engrenagem de
Certas peças; a cartilagem, o tecido resistente e elástico,
Que forma o esqueleto do embrião, antes da constituição
Dos ossos e que no homem persiste em certos locais, no
Nariz e nas extremidades; no teor cartilaginoso e na
Cartilha, no livro elementar para ensinar a ler, no
Rudimento de qualquer ramo do conhecimento e
Que serve de iniciação  do cartográfico, da arte e da
Técnica de elaborar cartas geográficas, geológicas e toda
Cartografia profissional do cartógrafo que elabora e é o
Entendido em matéria tão profunda e complexa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário