sexta-feira, 18 de maio de 2018

A cabeça cheia da ana c; BH, 0180502018.

A cabeça cheia de ana c
Cortou os pulsos com a lente de contato
Num suicídio de haraquiri imediato
As tripas esvaíram do sangue malfadado
Vendeu a biblioteca para beber
Bebia todas não tinha como pagar
Levava os livros ao dono do bar
Que os recebia com sorrisos no olhar 
E enchia os copos com ambição
A cada dose um volume
A cada volume uma dose dupla
 Descobriu que sábio era o dono do bar
E não tinha como refazer a biblioteca
A casa ficou morta sem livros na parede
A estante resistiu até pulverizar-se
E foi colocada em partes ao meio-fio
A rua vazia ficou feia sem poesia
O defunto da estante não foi velado
No velório a chuva molhou a madeira
Envelhecida o sol secou o vento levou os 
Resíduos para longe do infinito
O suicida com a cabeça cheia 
De ana c não tinha mais o que 
Beber a sede não parava de 
Querer os livros não existem 
Mais para trocar por bebidas
Sem livros o dono do bar com sorrisos
No olhar não olhava mais com 
Sorrisos no olhar mesmo
Ao mostrar as cicatrizes nos pulsos e 
Os vestígios de sangue nas tatuagens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário