segunda-feira, 28 de maio de 2018

A prova da tua apojadura; BH, 0170801999; Publicado: BH, 0120602012.

A prova da tua apojadura,
A aprovação da afluência excessiva,
Do teu leite de mulher e fêmea,
Animal que amamenta e faz se encher e 
Intumescer-se as tetas de leite,
Líquido precioso que mantém a vida;
Ao apojar minha boca nesse leite,
Igual ao apojo mais grosso,
Retirado da vaca após o menos espesso,
Que se tira inicialmente;
Com certificado de contrato de seguro,
De qualidade de ação e de título,
Como apólice de uma carteira de bolsa,
É o que me metamorfoseará num apolíneo,
Semelhante e belo e formoso deus Apolo;
Mudarei-me para seus montes apolínicos,
Morada do homem forte o apolo teu;
Curado da apoplexia da afecção cerebral,
Súbita e que paralisa os movimentos
E os sentidos durante o derrame sanguíneo
Ou seroso no interior de um órgão,
A jorrar abundantemente;
Para inibir este estado apoplético,
Referente ou sujeito a acalorado e congestionado,
De pessoa atacada de insanidade mental;
Que a apoquentação da vida,
Aumenta inda mais o aborrecimento,
Que é o amolar para conseguir um lugar,
Ao sol da sobrevivência necessária,
À preservação da espécie;
Na paz e no amor e na harmonia,
Sem os seres a apoquentarem-se uns aos outros 
E sim a procurarem só a convivência,
Face à face, corpo a corpo, alma à alma.


Nenhum comentário:

Postar um comentário