sexta-feira, 18 de maio de 2018

As ruas olhavam-no com desconfiança; BH, 0180502018.

As ruas olhavam-no com desconfiança
Era surdo à voz das coisas era cego à 
Luz do sol e desprezava o azul do firmamento
Ninguém o aguentava mais
Era um tormento atrás do outro
Piores do que as lamentações 
De jeremias amava israel a 
Despedaçar os palestinos tecia 
Loas aos bélicos norte-americanos
Chamava trump de meu guru
Dizia-se evangélico crente
Que só ouvia e lia gospel
Que só andava com salvos
Matava cachorros e gatos e
Outras famílias de gambás e 
Marsupiais abria a porta para
Pôr para fora os que estavam
Dentro da sua morada e só acolhia 
Com interesses votava com os 
Fascistas chamava mtst mst 
De vagabundos justificava as 
Extravagâncias dos judiciários
Perseguia quilombolas e índios
Chutava mendigos às escondidas
Nas sombras era racista enrustido
Jurava amor às forças armadas
Que a tortura era um meio
Legítimo de confissões e que os 
Direitos humanos só protegiam bandidos
As ruas olhavam-no com admirações
Era membro da sociedade ideal
Sem assombro perto das assombrações do 
Estado de exceção que chamava democracia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário