quarta-feira, 30 de maio de 2018

A morte; RJ, 080301992; Publicado: BH, 07092009.

A morte
Vem vindo de barco
Breve e ligeira
Silenciosa como o ar
Transparente e clara
Acabou de chegar
Chegou aos nossos ouvidos
Molhou nossos olhos
Fechou nossas almas
Prantos e choros
São linguagens cotidianas
Flores e cemitérios
Funerárias e papa-defuntos
A morte é o conjunto
É só e solitária
É certa e errada
Mete medo em todos
Não livra a cara
Não perdoa ninguém.
Chegou a vez
Não esperneia
Feche o guarda-chuva
Abotoa o paletó
E vamos nessa
Se sobe ou se desce
O elevador ninguém conhece
De lá nunca se voltou.
Se é bom ou ruim
Se é bem ou mal
Só mesmo a conhecer a morte
Frente à frente
E tentar botá-la para correr

Nenhum comentário:

Postar um comentário