domingo, 13 de maio de 2018

Gosto de tudo quando tem o cheiro; BH, 0201001999; Publicado: BH, 0230502012.

Gosto de tudo quando tem o cheiro
E o sabor do vinho; gosto de andar
Embriagado, pelas ruas da cidade; 
Um curió cantor livre, um pássaro a 
Voar na tarde; gosto de me sentir
Avinhado, cheio de vinho e bêbado;
Não nego, gosto de avinhar meu
Espírito e pôr vinho para temperar 
A minha mente; quero fazer igual a
Cristo e tornar toda a água, tal Ele
Tornou, semelhante ao vinho: no sabor
E no cheiro; gosto de embriagar-me,
Até que um dia, alguém me esqueça,
Pregado numa cruz de madeira verde
Ou numa árvore mesmo, para que ela
Não precise ser arrancada da terra; e
A notícia corra logo, com o pior indício
Possível; que nenhuma advertência,
Seja feita àqueles que queiram seguir
Os meus passos; nenhum conselho
Tenho para dar; precaução de
Camisinha, prudência de contaminado,
Aviso dos navegantes; do navio de
Guerra pequeno e rápido; gosto de
Avistar daqui de cima, até onde a
Vista alcançar; e ao ver-me também
Reciprocamente com alguém e ao
Entrevistar-me com as pessoas,
Ser avistável para avivar, dar a
Viveza do vinho para excitar os
Ânimos, animar a preguiça,
Tornar mais vivos os espíritos,
Ao agravar a ansiedade e a
Angústia com a embriaguez lúcida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário