sábado, 12 de maio de 2018

Tadim do Zezim, RJ, 1980; Publicado: BH, 010302012.

T
Tadim do Zezim
Perdeu a muié,
Perdeu o chapé,
Num tomô o rapé,
Oh dó xente;
Zezim tá sozim,
Acendeu o cigarrim de paia,
Pensô na muié,
Qui foi bora;
Largô casa e comida,
Os fio e os trem;
Largô tudo no armaro,
Num ligô pra nada,
Dexô o home doido,
Maluco igual bicho,
Choran'a noit' toda,
Gritan sem pará:
Vorta muié,
Vorta pal'amô d'Deus,
Os fios tá tud choran;
Num tem de cumê,
A casa tá disarrumada;
Vorta muié disgramada,
Squece de eu,
Pens' na fiarada,
É pel's minino,
Qui chor'qui'gora;
Tadim do Zezim,
Bebeu tanta cachaça,
Durmiu d'boc'aberta,
Co'a carça rasgada,,
A pexera na cintura,
O peito nu,
O oio fund,
A cabeça pesada,;
E a muié num vortô,
E inté de madrugada,
Zezim chorô e 'sperô,
Na'stera rasgada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário