quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Desisto morrerei assim se até hoje não mudei; BH, 050601102001; Publicado: BH, 02701102010.

Desisto morrerei assim se até hoje não mudei
Não mudarei jamais por mais que tente a 
Ignorância vem empurrar-me para longe da 
Cultura por mais que tente a mídia vem 
Impelir-me com violência para a mediocridade
E impingir-me ao encontro da estupidez o que 
Poderia sacudir de mim tanta falta de educação?
O que poderia empuxar para longe de mim tudo 
Que fosse ruim? preciso do classicismo do 
Empuxo e da pressão da abóbada ou arco nos 
Suportes verticais acho que um a jato propulsão
Acho que a força resultante dos componentes
Das forças de pressão que agem na direção
Dos movimentos não têm capacidade de
Levar-me para frente sou pesado demais
Um fardo que só sabe emudecer e tornar-se
Mudo diante dos fortes e dos poderosos qualquer
Imbecil sabe como me fazer calar fico quieto
E silencioso porém é por medo e covardia
Temo e vou ao desespero por qualquer emulação
Entro em pânico em rivalidade e competição
Desisto de todo estímulo que quer emular-me
Tenho sangue de êmulo derrotado facilmente
Lágrimas de competidor fracassado e desconfiança
De rival que vive para emulecer-se vivo para
Murchar de vergonha e para ser chamado de
Murcho por todos que me conhecem a emulação
Produto farmacêutico à base de óleo vegetal ou
Animal de aparência leitosa é mais valiosa
E tem mais teor para enaltecer engrandecer e exaltar
A humanidade do que o espírito vegetativo que
Habita meu ser não possuo enaltecimento natural
E nenhuma mulher quer enamorar-se de mim
Não conheço uma sequer que um dia soube
Apaixonar-se ou enlevar-se com as minhas
Condições quando irei encabeçar a lista dos
Abençoados? quando passarei a ser o cabeça dos
Bem-aventurados? sinto que a luz nunca irá
Se dirigir para minha direção desisto
Não nasci para chefiar uma reação iniciar
Uma revolta com rebeldia e revolução
Meu feto sabe até hoje me subjugar a vida
Veio por cabresto no meu útero a placenta é
Um meio para encabrestar-me e o resultado
É este constrangimento símbolo da vexação
E da encabulação em pessoa coisa mais chata
É o envergonhar de tudo coisa mais ridícula
Acanhar diante de qualquer pessoa coisa
De besta encabular-se à toa à toa em frente
De outro besta porém quando estou bem
Encharcado, viro herói quando estou
Embriagado com cachaçada sou maior e
Mais poderoso do que super-homem e aquele
Pranto encachoeirado aquele choro semelhante
A cachoeira some rapidamente desaparece o
Encachoeiramento da face e o rosto fica sem
A formação do choro e de cada gole surge
O encadeamento da alegria cada copo
Traz o efeito de encadear o sorriso o enjambement
De unir com cadeia à felicidade de bêbedo
É uma bebida atrás da outra para ligar a
Mente e sujeitar o cérebro que passa a não
Seguir pela ordem natural e o romance
Mental não serve para encadernação o livro se
Perde na ação e no processo de encadernar
A capa da memória que recebeu do encadernador
É um encadernado opaco que veio coser as folhas
De trevas de revistas de vanguarda de modo especial
E cobri-las com algo consistente para esconder
O discurso deixa-me encafilar-me em mim
Aprendi só a desgostar encafuar no meu eu
E ocultar-me no meu encaibramento desisto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário