segunda-feira, 30 de julho de 2018

Espírito de Chico Xavier, O sino, BH, 020402010.




Oh sino que planges nas tardes voluptuosas
Acordando em meu peito amargas sensações  
Sois o  mesmo cantor de estrofes vaporosas
Nas manhãs festivas de rutilos clarões!

Bem sabeis transmitir alegrias pomposas.
E tristezas sem par, derramando aflições,
Numa tarde outonal, esfolhando-se as rosas
Entre misto de dor de febris orações!

Mas, oh sino cantor, eu vos amo mais ainda
Numa tarde a morrer evocativa e linda,
Numa tarde de flor, num poente tristonho.

Porque na vossa voz entristecida e incerta,
Lembrais uma alma triste, igual a mim, deserta
Desiludida enfim dos extases de um sonho!

Nenhum comentário:

Postar um comentário