quinta-feira, 12 de julho de 2018

No sal; NL, 0130402008; Publicado: BH, 02201102009.

E preciso mudar e não mudo
Evoluir e não evoluo rastejo vivo no sal
Bem abaixo do nível do mar bem distante
Do rés do chão e preciso crescer e não cresço
Tenho medo choro sou criança sem colo
Ingênuo e acredito na mentira na falsidade
E propago a irrealidade encho o peito de ilusão
Sou um mau exemplo e até hoje ainda não
Tenho vergonha na cara olha só que coisa
Louca já a chegar à terceira idade e ainda
Não amadureci não floresci e sou um fruto
Que ainda não pode ser comido inútil
Não mato a fome nem do animal irracional
Fútil não penso além dos limites do meu
Crânio cego não enxergo um palmo à frente
Do nariz mudo não falo a verdade e minto
Minto de envergonhar Pinóquio inibido e tímido
Não faço o bem e não sou gentil não tenho
Um pingo de educação e não sou bom nem
No mais elementar simples e simplório
Comportamento humano chego a ser bizarro
Cabeça dura teimoso caturro jamais séria
Uma personagem de qualquer romance
De Machado de Assis insatisfeito nunca na
Vida amorosa e sexual satisfiz uma mulher
Sem prazer não causo prazer e a primeira
Impressão que causo em alguém é a de asco
E de repulsa sou realmente lamentável
Causo dor e sofrimento desde o dia em
Que nasci vide minha mãe rememore meu
Pai como padeceram comigo e minha mulher
E meus filhos são as minhas vítimas atuais
Deus quando me olha vira a cara para o lado
Finge que não me ver e faz questão de não me
Abençoar e de fazer ouvidos moucos às minhas
Orações sabe que não tenho fé não tenho
Religião e às vezes ainda faço propaganda contra
Ele faço blasfêmia peco não me arrependo e
Nem peço perdão estou literalmente no sal
Grosso na mais baixa camada do abismo
Sem consciência sem  raciocinar nada faço para mudar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário