segunda-feira, 30 de julho de 2018

Sabe gente mesmo que ninguém queira saber; NL, 0130402009; Publicado: BH, 030402010.

Sabe gente, mesmo que ninguém queira saber 
Mas preciso desprender-me do papel preciso
Livrar-me das linhas perder a alcunha e o
Apelido e arranjar um nome e um sobrenome
E sou há tanto tempo coadjuvante estou a 
Envelhecer ainda secundariamente e sou 
Há tanto tempo pseudônimo assino
Anonimamente que agora sinto
Necessidade de uma relevância alguém
Precisa levar-me em conta mesmo
Que seja eu mesmo o menos importante
Nesta história tudo porque eu gostaria 
De ganhar ares de gladiador
Ter uma arena para mim ou um
Picadeiro para as minhas palhaçadas
Tudo porque quero ser personagem
Da vida da humanidade e vejo
Uma luz de palito de fósforo e já
Penso que é uma luz do fim do
Túnel a vir em minha direção
E cai a ficha da realidade e desperto
Da ingenuidade e da enganação
Do destino que levo não consigo
Plateia nem em botequins falo igual a
Um mudo tenho ouvidos surdos e para a
Arte a pressa de quem está com dor
De barriga e de quem vive choramingas
Pedi pena compaixão e caridade pelo
Amor de Deus uma esmola um pedaço de pão
Um trapo de pano um resto de comida mas
Quem quer saber de um mendigo sentado
Numa calçada a pedir em nome de Deus
E sem ter procuração?
A ingenuidade da enganação  (?)

Nenhum comentário:

Postar um comentário