sábado, 14 de julho de 2018

Sou um grosseiro dum arigó; BH, 0220801999. Publicado: BH, 0290602012.

Sou um grosseiro dum arigó
Uma pessoa rústica tosca
A minha mente não tem tegumento
Nada cobre o meu corpo de animal
Pele e pelos e penas e escamas
E nem tenho arilo
E em mim não uso o soba
Na minha aringa
Meu campo fortificador
Não sou o chefe ou o régulo
De minha tribo africana
Meu sobado não é governado por mim
Não mando nas minhas arintas
Nas variedades de uvas brancas
E nem bebo o meu atinto
O vinho feito com essas uvas
Minha pobreza não me deixa joeirar
Aripar as areias para retirar as pérolas
Morro de mediocridade
Não me pari ainda
É arisco o meu pensamento
Arenoso como o deserto
Bravio igual a cavalo selvagem
Esquivo feito as sombras e
Insociável igual as serpentes
Meu espírito aristado e infrutífero
Com todas as arestas dos espinhos
Afasta de mim o meu aristarco
O censo crítico e severo
E a aritmética que nunca entrou
Em minha cabeça de arlequim
E a parte da matemática que estuda
As propriedades e teorias dos números
E as gerações com que eles efetuam
Estou no resto do diminutivo
Estou mais para a personagem
Da antiga comédia italiana
Do que para aristocrata
E não consigo me envergonhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário