domingo, 24 de junho de 2018

A arrelia que trago; BH, 0270801999; Publicado: BH, 0220602012.

A arrelia que trago
Guardada dentro de mim
É a zanga bruta e eterna
O mau presságio
Que não deixam-me arreitar;
Excitar o apetite sexual
Sentir os desejos sexuais
É o ódio que carrego
A ira que demonstro
A cólera que sinto;
Tudo faz-me arreliar
Irritar-me até
Com o ar que respiro;
Afogar-me até
Com a água que bebo
E não vejo quando
A arrematação destes males
Um dia me transformará
Em um homem normal e feliz;
Não vejo quando
Vou poder arrematar
Pôr remate na dor
Terminar a impotência
Acabar com este terror;
Comprar em leilão uma solução
E concluir com a resolução
Que porá fim
A infelicidade infinita
Que respira dentro de mim;
Quero conseguir com a vida
Este meu arremate
O acabamento do tormento
Que parece não querer
A deixar-me viver
Teima em fazer-me arremedar
Teima em fazer-me uma imitação
De homem sem coração. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário