sexta-feira, 22 de junho de 2018

Lancei na praça meu arrendamento; BH, 0270801999; Publicado: BH, 0220602012.

Lancei na praça meu arrendamento
Fui aquele que quis se ceder por solidão
E não apareceu interessado
Estava disposto a um contrato bilateral
Pelo qual assegurava a outrem
Por certo tempo infinito
Preço indeterminado
O direito à minha exploração
Por unidade ou por econômica
Fui o arrendador ninguém 
Quis arrendar-me receber-me ou 
Rendilhar na minha arrenda e na
Segunda cava das minhas vinhas
Dos meus milharais
Tirar as ervas daninhas
Que impediam-me de florescer
Por mais que oferecesse
Não apareceu arrendatário
E passei a arrengar-me
Abjurar a minha pessoa
Detestar a mim mesmo
Amaldiçoar-me e imaginar
Se ninguém quer-me para amar
Como é que eu mesmo
Posso querer-me
Posso amar a mim mesmo?
E neste arrengo passei
A irritar-me mais ainda
A ficar cego de ódio,
A querer arrancar os próprios olhos
Como se fosse um Édipo
Levei tempo para acordar
E tu não estavas ao meu lado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário