terça-feira, 26 de junho de 2018

O poeta não tem a impetuosidade; BH, 0260801999; Publicado: BH, 0230602012.

O poeta não tem a impetuosidade
De um jogador de futebol
Não tem a confiança a segurança
E a disposição apresentada por um jogador
Um poeta não é de arregaçar as mangas
Enrolar ou dobrar para cima
Igual a um trabalhador
Um operário de fábrica
Um poeta não é de levantar platéia
É de levantar-se pelos próprios meios
O poeta só enxerga
Quando pode arregalar
Abrir muito bem os olhos
Esbugalhar as vistas
E mesmo assim inda enxerga pouco
Ainda é um cego
O poeta só consegue alguma coisa
Quando pode arreganhar a boca
E mostrar bem os dentes
Igual a uma fera acuada
E abrir a careta medonha
A enrugar bem a pele da face
E as pernas como se fosse chutar
E separadas como se fosse capoeirista
O poeta não é de entrar pelas fendas do arreganho
Expor a arrogância indicar a ameaça
Pois do contrário não rir
Só chora e sofre mas o poeta
Se não for no peito e na marra
Fica estendido solitário
Não resolve um ato
Não demonstra uma ação
Ou chega a uma conclusão
Não tem arrojo grande coragem
Extrema ousadia profunda audácia
Intrepidez de espírito
Não tem poesia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário